23 de março de 2015

Desespero

Imagem do google

Não sei se no meio desta confusão
Serei capaz de ouvir a mim mesma.
Diálogos, diálogos...Uma constante conversação.
Eu estou no meio de uma multidão.

E tudo é triste e tudo é dor, esta impregnação;
Permeia o ar, permeia a construção.
Esta casa é uma desolação!         (grito)
Mas é aqui a minha habitação!    (grito)

E eu agradeço a cada estação
O que eu recebo por doação:
Alimento, calor, protecção...    (murmúrio)
Esta é a minha habitação...       (murmúrio)

É daqui que eu venho
E é aqui que eu estou,
Mas não é aqui que eu sou.
Eu não sou onde estou.

Ou, então, é apenas uma confusão
Estou meio surda, meio tonta,
Uma espécie de desorientação.
Alguém diz: -Uma alucinação!   (outra voz)

Tenho um enjôo, tenho uma náusea,
Tudo não tem solução!         (voz definitiva)
São portas fechadas...Uma confinação!
É o que eu sinto, quando meu pé está neste chão.

Mas eu tenho uma porta aberta   (Ufa! E eu agradeço tanto, tanto, tanto...)
E por ela entra muita "coisa boa"
Que me aquece o coração:
Uma verdade, um alento, uma consolação.

Alimenta uma esperança no coração,
Aquece uma certa felicidade sem explicação.
Protege a minha vela acesa
E garante a minha iluminação.

Cristina, 4 de Fevereiro de 2015

"Nunca mais vou bater no fundo"_Jéssica Athayde

Sem comentários:

Enviar um comentário