2 de abril de 2015

A comandante

Sou a comandante d'um navio
Navego no mar e na escuridão
Junto com toda a tripulação
Sou a comandante d'um navio

Minha mão firme segura o leme
Meu olho fixo na escuridão
Minhas pernas "bambas" de medo
Olho p'ró céu faço minha oração

Agora vou do meu navio falar
Muitos apetrechos tem ele
O primeiro é a bandeira
Depois a caldeira que o faz andar

A bandeira nem sabia que lá estava
O combustível é doação
Tenho sorte por ter bons amigos
Entre a minha tripulação

Já há muito que navego
Sem em nenhum porto atracar
Até parece que não tem fim
Este oceano este mar

Tenho passado por algumas ilhotas
E minha âncora não lanço
Meus conselheiros asseguram
Não são lugares de confiança

Sou comandante sou tripulação
E até ratos trago no porão
Navego no mar e na escuridão
Junto com toda a tripulação

Do porto que deixei
Já não tenho lembrança
Resta-me uma espécie de confiança
Resta-me uma espécie de esperança

Que sentido este navio
O que é este mar
Porquê só escuridão
Bem sei, tenho que navegar

Afinal de contas...

Sou a comandante d'um navio
Só sei navegar no mar e na escuridão
Apenas me resta segurar no leme
Bem firme com a minha mão

Cristina, 25 de Novembro de 2014

Sem comentários:

Enviar um comentário