14 de abril de 2015

O naúfrago

Imagem daqui

Dizes que encontraste a poesia,
mas não sabes o que fazer com ela.

Dás-me vontade de rir.

Ah! Como me pareces tão coitadinho!

Pareces-me tão coitadinho,
Que me fazes lembrar
As minhas próprias palavras,
De tão coitadinhas que são.

És um náufrago!

És um náufrago à deriva em alto-mar
Segurando-se apenas num destroço de madeira,
Mas julgando nele uma ilha.

Permite que te desengane,
Meu querido amigo.

Se tu, porventura, de verdade...

Sentisses o veludo de seu abraço,
Cheirasses seu hálito de jasmim,
Visses a alegria do seu sorriso,
E a olhasses nos olhos, de verdade.

Ficarias  tão enamorado,
Tão perdidamente apaixonado,
Que não haveria nada a fazer.

Cristina, 26 de Março de 2015

"A escrita é uma forma de terapia"_Carlão

Sem comentários:

Enviar um comentário