14 de agosto de 2015

Aqui, agora II

Serra do Caramulo II


















Gosto de uma serra para olhar,
porque quando olho para o alto
sinto-me pequena, insignificante
perante a perfeição da natureza.

Carrego cá dentro um desejo.
Um abrigo das tempestades
e não, um abrigo nas tempestades.
Enfim, desejo descansar...

Árvores também, para contemplar,
sua diversidade, sua singularidade,
suas flores, seus frutos,
sua natural simplicidade.

E o céu acima da minha cabeça
p'ra nunca esquecer de perguntar:
porquê durante o dia só um sol
e há noite tantas estrelas a brilhar?

E quando o vento, meu amigo,
por mim passar ele vai-me abraçar,
seja numa suave carícia,
seja de rajada p'ra me balançar.

E meus olhos vou fechar,
meus punhos cerrar
e meu peito acalmar,
porque, de verdade, eu sei...

Eu sei...

Que o caminho é muito longo...
Tão longo que são vidas inteiras
e mais vidas inteiras.
Até agente, de verdade,
aprender a amar...

Cristina, 10 de Julho de 2015

Sem comentários:

Enviar um comentário